Ganhou, mas não levou - a dura realidade tricolor

21:46:00
Wesley conduz a bola diante da marcação de Vacaria (Foto: Futura Press)
Ontem, no jogo de volta da Copa do Brasil, o São Paulo tinha a missão de ganhar por pelo menos 2 gols de diferença do Juventude - ou por um, se fizesse no mínimo 3x2, já que repetir o placar de 2x1 levaria para os pênaltis - para poder comemorar a vaga às quartas-de-final da competição, que o time ainda busca o título inédito, mas que infelizmente não está mais nos planos de 2016.

Mesmo não sendo afobado para buscar os gols, quase o time tricolor tem o seu objetivo arruinado logo no começo do jogo, porque Roberson (o autor dos 2 gols do jogo do Morumbi), carimbou a trave de Dênis.O time tricolor avançava muito pelo meio e em dois lances do primeiro tempo, uma falta perigosa de Cueva defendida por Elias e um lance de Rodrigo Caio, que isolou a bola, quase estando na pequena área, após cruzamento feito por Wesley: primeiro tempo acabou no 0x0 mesmo, placar horrível para o São Paulo..

No segundo tempo, infelizmente o panorama não mudou muito - o São Paulo pressionava o Juventude, que algumas vezes dava sustos nos contra-ataques - e aos 23 minutos, Rodrigo Caio, que estava impedido, acabou fazendo o gol do São Paulo e depois, a história continuava a se repetir com os tricolores perdendo chances e mais chances para fazer o gol decisivo, até que aos 51 minutos do segundo tempo, o árbitro apitou o fim de jogo (um minuto antes, o São Paulo teve pênalti não marcado). 

Fim do sonho de título para esse ano e mais uma vez, a desolação da torcida tricolor que não consegue entender como um clube tão vencedor, virou mero coadjuvante. Vale lembrar: ontem o São Paulo fez a sua obrigação, ganhar o jogo, o maior erro foi cometido aqui no Morumbi, ao perder no jogo de ida. Por isso, pode-se dizer que ganhou, mas não levou - triste realidade.


Rumo à vitória, São Paulo!
Equipe São Paulo: Twitter 

Compartilhe isto

Bacharel em Direito, acompanha futebol desde sempre e dá seus pitacos quando é e quando não é chamado. Ama o S.P.F.C. incondicionalmente e despreza os rivais, a menos que estejam em boa fase, nesse caso, os odeia.

Posts Relacionados