Pós Jogo - Atletico x Figueirense: Merecimento e queda de produção.

22:32:00


FAAAAALA CAMbada !  como vão vocês nessa noite quente de terça? Eu sigo concentrado pro JOGAÇO de bola, amanhã, as 21:45 contra o Internacional pela Copa do Brasil. Mas pausa na concentração pra falarmos sobre Campeonato Brasileiro. Antes de mais nada, perdões pelo atraso na postagem... é aquela velha e redundante desculpa da falta de tempo na agenda, mas antes tarde do que nunca não é, senhores...


Vamos lá,

Vivemos um mês de extrema importância na temporada 2016. O Galo fará em 3 semanas, 6 jogos que podem definir o rumo da equipe na temporada. Pelo Brasileiro, Flamengo, Coritiba e Palmeiras aparecem na nossa rota. Já pela Copa do Brasil, o embalado Internacional é o desafio da próxima quarta. Mas hoje falaremos do Figueirense.... Ah... o Figueirense!! Figueira, que ultimamente se tornou uma "pedra no sapato" atleticano, conhecido por causar grandes impactos negativos nas campanhas alvinegras, seja pela liga nacional ou pela copa. 

Duas equipes de momentos, condições, objetivos e psicológicos diferentes. O Galo, pensando duplamente nas duas taças (ainda que matematicamente haja 1%, não podemos jamais punir os jogadores por acreditar na possibilidade de conquista do Brasileirão). O Figueira, lutando desesperadamente contra o Rebaixamento, ao contrário das temporadas anteriores de bons desempenhos e posições medianas na tabela, parece que anda flertando seriamente com a 2ª divisão nacional. Os ESCANDALOSOS E RIDICULOS erros de arbitragem acabaram trazendo duas realidades diferentes para o Independência naquela noite de domingo: Um Galo, que apesar de ter sido brutalmente prejudicado em solo carioca, contra o Botafogo, absorveu com mais tranquilidade o impacto, e a classificação heróica pelas mãos do São Victor do Horto parecem ter elevado os animos. Já o Figueirense, RIDICULAMENTE PREJUDICADO pela arbitragem, no que pareceu mais um flashback de 2005, quando a máfia do apito dava a suas cartadas, entrou absolutamente descontrolado em campo. 

O Galo estava tranquilo desde o começo da partida, escalado com um meio campo de muita qualidade, com os dois meias, Cazares e Otero, flutuando pelo setor e tentando organizar o trabalho de posse de bola atleticano. Já o Figueira, desde o primeiro minuto reclamava e demonstrava nervosismo e insegurança na partida. Apesar disso, era uma equipe estruturada no setor ofensivo e buscava surpreender o Galo nos contragolpes, armando linhas bem compactadas. O Atlético teve imensas dificuldades desde o começo para preencher espaços e trabalhar a posse de bola. Nas poucas vezes que fez isso no primeiro tempo, criou boas chances pelos lados, com Otero. Aos 15 minutos da 1ª etapa, falta quase na intermediária do Figueira. Para a cobrança, Romulo Otero. Era a chance dele comprovar sua fama de "eximio batedor de faltas" adquirida pela boca de urna popular do futebol. E não é que ele fez um GOLAÇO? Uma cobrança forte, com muito efeito, com impressionantes 129km/h acabaram encontrando o gol de Gatito Fernandes, abrindo o placar para o Galo: 1x0. O que se esperava a partir daí era que o Atlético tivesse retenção da posse de bola, controlando as ações e trabalhando com tranquilidade no campo do adversário, mas não foi isso que aconteceu. Como vem acontecendo em várias partidas do campeonato, ao invés de se impor em campo, o Galo impõe correria!! Em uma dada circunstância em que o adversário avança pra buscar o gol de empate, isso é TUDO o que ele busca. Ainda mais equipes armadas para os contragolpes como o Figueirense. Dos 15 minutos até o final do 1º tempo, vimos um Figueirense melhor em campo, mais organizado e ditando o seu ritmo. Ao Galo, só restou aprontar sua estratégia errada: correria em campo.

Quem esperava uma mudança de perspectiva na 2ª etapa, se enganou. O Galo continuou se abstendo de propor o jogo, aprontando uma correria desnecessária, favorecendo o jogo adversário. O Figueirense seguia melhor e criando mais chances, só que desta vez, mais presente no campo de defesa atleticano. Chegou a criar chances perigosas, sendo que Victor foi obrigado a operar mais um milagre com sua assinatura, num chute de primeira, rasteiro de Josa. A situação começou a ficar mais favorável ao Galo a partir dos 26 minutos da 2ª etapa, com a expulsão do zagueiro Werley, aquele mesmo, que fez a pior dupla de zaga da história do Atlético, junto com Leandro Almeida. A partir daí, com mais espaços, o Galo passou a explorar melhor o meio campo, coisa que deveria e DEVE fazer com mais frequencia. Já o Figueira foi obrigado a compactar suas linhas e apostar em um erro atleticano pela intermediária. A entrada de Robinho era o que faltava para que o Galo passasse a ocupar melhor os espaços pelo meio. O time cresceu de produção e passou a triangular mais, a se movimentar melhor e a criar mais chances. Acabou sendo premiado aos 42 minutos, com um belíssimo cruzamento de Cazares da direita para a esquerda, encontrando Robinho, que limpa a jogada e encontra Junior Urso, outra figura que atuou muitíssimo bem no domingo, para aumentar o placar: 2x0 e vitória sacramentada. Ainda tivemos tempo para assistir um passe extraordinário de Cazares, pelo meio, encontrando Fred, que com seu genial faro artilheiro, empurrou para as redes, se tornando absoluto na artilharia do campeonato: 3x0 Galo. Aquela altura, o Figueirense já havia se descontrolado totalmente, questionando erroneamente a arbitragem e tendo Josa expulso por reclamação após o 3º gol. 

Assim se encerrou a partida no Horto. Uma vitória importante, que reacende no torcedor o orgulho de ser atleticano e impera o cântico beatificado pelo torcedor: EU ACREDITO. Apesar disso, a atuação da equipe atleticana não foi das mais agradáveis, a exemplo das ultimas partidas.


Nota positiva sobre a partida: A volta do menino maluquinho Luan. Me parece que desta vez, 100% apto para contribuir para o crescimento do Galo nessa reta final. Luan é extremamente importante para o Galo. Poucos tem a qualidade dele em campo e quase ninguem tem o espírito contagiante que ele possui. Isso pode ser muito importante quarta feira, por exemplo.


Nota negativa sobre a partida: Nenhuma. Isso mesmo, nenhuma.




Vamos para o melhor jogador da partida:


OTERO - GALO
Fonte: Bruno Cantini / Atlético MG 

O "Grande Otero" tá virando figurinha carimbada nesse espaço e do time atleticano. Com merecimento e muita qualidade, principalmente na condução de bola, com habilidade no drible e nos arranques pelos lados do campo, Otero conquistou de vez a confiança da torcida e seu lugar na equipe. Seria uma injustiça não considerar Otero o melhor jogador do Galo nesses ultimos 4, 5 jogos. Contra o Figueira, enquanto esteve em campo, trabalhou muito bem ofensivamente e defensivamente, dando segurança para o ÓTIMO estreante Leonam, outro lateral esquerdo muito promissor e de futuro brilhante com a camisa alvinegra, se assim o destino permitir. Sobre o Big Otero, nada mais a declarar, apenas reverenciar seu momento e seu futebol. Contamos con ustedes el miércoles, gran Otero!




Quem não foi bem:

Alguém tem idéia? Eu daria essa bola murcha da rodada ao Cazares, mas vamos dar uma colher de chá pelos 15 minutos finais. O nosso Messi Negro é um craque, é um monumento jogando futebol. Torço para que fique com a cabeça voltada para o futebol. Tem muito mais frutos a colher com isso.




Concluindo:

Não vou me alongar aqui, apenas vou pontuar algumas coisas: A equipe precisa subir de produção do ponto de vista técnico, principalmente pelo setor de meio campo. O Galo precisa entender que suas melhores partidas foram priorizando e trabalhando pelo meio campo. Com dois meias de muita qualidade como Otero e Cazares, você não pode se sujeitar a correr como um louco em campo e dar campo ao adversário. Se você tem dois jogadores que conduzem e trabalham muito bem essa bola, com transição rápida e movimentação forte pelo setor, que tal fazer a equipe impor um jogo de posse de bola e troca de passes? Foi desse jeito que o Atlético fez suas melhores partidas e encontrou sua melhor forma de jogar. Correria nessa altura não vai resolver. Isso é trabalho para Marcelo Oliveira. Obvio que ele não vai ler essa coluna como muitas outras, mas Marcelo é um sujeito muito inteligente, ele vai saber trabalhar esse defeito da equipe.



Diga, MONSTRO DA 99:

"Vitória importante.Nos coloca ainda com chances de título e a gente vai seguir acreditando até o final. Um jogo difícil, truncado, de muita disputa de bola e fizemos um placar elástico que dá mérito ainda mais para a equipe. É jogo decisivo (contra o Flamengo). Vamos estar com a casa lotada para a gente ganhar do Flamengo também".





Scouts do Jogo: 


GALO:  Victor, Carlos César, Gabriel, Erazo, Fábio Santos; Leandro Donizete, Junior Urso; Cazares, Otero (Robinho), Clayton (Luan); Fred. 

Técnico: Marcelo Oliveira

FIGUEIRENSE: Gatito Fernandes; Ayrton, Marquinhos, Werley, Marquinhos Pedroso; Josa, Jackson Caucaia (Elvis), Ferrugem, Bady (Everton Santos); Lins (Bruno Alves), Rafael Silva.
 
Técnico: Marquinhos Santos

Gols: Otero, Junior Urso, Fred (GALO)

Cartões:      Amarelo -->   Marquinhos, Josa e Jackson Caucaia (FIGUEIRENSE)

                      Vermelho --> Werley e Josa (FIGUEIRENSE)




#UNIDOSSOMOSFORTES #TODOSPORUMIDEAL #EUACREDITO #AQUIÉGALO #NÃOÉMILAGREÉATLETICOMINEIRO #VAIPRACIMADELESGALO 




Me sigam lá no Twitter, galera: @lsilveiralg 

Equipe Atlético-MG: Twitter | Facebook

Compartilhe isto

Posts Relacionados