Gabriel Jesus instável? Há uma justa razão para isso!

15:54:00
Gabriel Jesus e Cuca, conversam durante o treinamento. 
Gabriel Jesus inconstante? Tecnicamente, e em dados estatísticos sim. Mas é compreensível e aceitável a sua 'queda de produção'. Uns dizem que é cansaço, outros já afirmar que o atacante de 19 anos está focado no Manchester City, clube o qual defenderá à partir de Janeiro/2017, e outros questionam até, a condição física dele, que segundo alguns entendidos, está comprometida devido ao excesso de partidas disputadas, no ano de 2016. E em meio a tudo isso, resolvi opinar sobre o assunto, e colocar as teorias citadas há pouco, por água abaixo.

Mas como? A explicação mais plausível é, que o estilo de jogo do Palmeiras mudou. De equipe com futebol vistoso, troca intensa de passes e ofensividade aguda, passou à uma equipe mais pragmática, e que por mais que não gostem, se tornou uma equipe copeira. Todos marcam, procuram segurança defensiva, evitar ataques da equipe adversária, e utilizar ou de contragolpes ou bolas alçadas na área, para fazer um gol, ou mais. Por isso houve uma 'seca' no ataque palmeirense, e consequentemente tal seca chegou em Gabriel Jesus. 

Mas se a seca ofensiva existe, e o ataque marca poucos gola nos últimos jogos, a solidez defensiva é nítida, tanto que a última vez que a equipe tomou dois gols ou mais, pelo Campeonato Brasileiro, foi no dia 31 de julho, na derrota de 3x1, pela rodada 17 do Brasileirão. De lá para cá, apenas uma vez a equipe sofreu dois gols numa mesma partida, e foi na derrota 2x1 diante do Grêmio, na partida de ida das quartas de final, da Copa do Brasil, na Arena do Grêmio. E o que isso significa diante do jejum de oito jogos sem gols, de Gabriel 'filho do homem'? Como foi dito anteriormente, a solidez defensiva é a explicação. Pois o time todo está comprometido em garantir-se defensivamente. Desde o ataque até o goleiro. A pegada é firme, bruta, com enorme raça. Isso vale para Gabriel Jesus, que cobre espaços defensivos, divide jogadas ríspidas, dá carrinhos, acompanha lateral adversário... enfim, ele se doa para a equipe. Evidente que atacante definidor que é, se recente pela ausência de gols marcados pelo clube. Mas diante do novo modelo de jogo utilizado por Cuca, Gabriel é sacrificado, e possui raras chances de gol.

Mas se engana quem pense que Jesus é peça nula. Ele é sim solidário, e segue efetivo no ataque alviverde. Exemplo? No jogo contra o Figueirense, ele participou diretamente dos dois gols da nossa vitória por 2x1. Sofreu a penalidade e ainda deu assistência para o segundo gol de Jean naquela partida. Porém, no plano de jogo copeiro que estamos, raras oportunidades aparecem. E quando surgem, ou a bola passa muito próxima ao gol, ou o goleiro rival defende, ou a bola bate na bunda do zagueiro rival, ou acerta na trave. Enfim, há algo que atrapalhe sim, mas definitivamente não é 'ruindade' de Gabriel. 

Falar que o atacante que não marca gols é ruim, ou que não está comprometido, é uma bobagem do tamanho do Allianz Parque. Não é cabível um argumento desse. Se o atacante colabora com a equipe, se doa dentro de campo, não é tiriça, e sim comprometimento e honra ao manto. Há ansiedade para marcar um gol novamente? Claro que há. Mas analise e reflita torcedor: Prefere ver Gabriel Jesus e o PALMEIRAS, como campeões brasileiros? Ou prefere ver Jesus artilheiro, arrebentando a boca do balão, mas tendo ele e o Palestra nenhum título nacional em 2016? 

Vamos desfrutar mais quatro jogos no máximo de #GJ33, pois o dia para seu retorno ao clube onde é a sua casa, demorará muitos anos para ocorrer.
Equipe Palmeiras: Twitter
por Leonardo Bueno

Compartilhe isto

Posts Relacionados