Como Sebastién Bourdais voltou ao topo da Indy?

12:09:00

Sebastién Bourdais sempre foi um bom piloto. Um dos melhores que vi nos últimos 15 anos. Bourdais foi tetra campeão na ChampCar (2004-2007) vencendo 33 corridas no período em que esteve na hoje findada, Newman Haas. O francês teve passagem pela Fórmula 1, na equipe Scuderia Toro Rosso. Porém, os resultados não foram satisfatórios, e Bourdaia acabou saindo da equipe. Voltou para a Indy em 2012, e nunca mais foi o mesmo. Muito em função das equipes em que esteve - ambad de pequeno porte-: Dragon e KV Racing. Equipes nanicas, se comparadas ao restante  das equipes do grid da Indy, ou até mesmo, Newman Haas e STR. 

Pela KV conquistou duas vitórias, em Detroit e em Toronto. Porém com o fim das atividades da KV, Bourdais não foi chamado por nenhuma equipe de médio/grande porte. Restou à ele, fechar contrato com a Dale Coyne para a temporada 2017. A pior equipe do grid, em todos os sentidos que se possam imaginar. Bourdais não têm um patrocínio poupudo, e nunca teve. Também por isso, não conseguiu alinhar-se numa melhor equipe.

Mas veio a temporada 2017. E já nos treinos livres, Bourdais andou entre os 10 primeiros. Já surpreendeu aí. No treino classificatório, Sebastién Bateu seu Honda #18 e largou na P21 (última colocação). E isso foi um fator que o desanimou? Não! Se aproveitando de uma bandeira logo na largada, e toques dos pilotos que estavam a sua frente, e ao trocar sua estratégia de prova, Bourdais começou a rumar para a vitória na abertura do campeonato, disputada nas ruas de St. Petesburg. O ex-F1 trocou de pneus pouco antes de uma bandeira amarela, ocorrida na volta 26. Ocasionado por um toque entre Tony Kanaan e Mikhail Aleshin. O piloto do #18 se beneficiou por isso, e após os pilotos irem aos boxes, Seb assumiu a P2, e não demorou além de 2 voltas para ultrapassar o atual campeão, e dono do melhor equipamento da Indy: Simon Pagenaud/Penske/Chevrolet.

Aí vem a questão do acerto na estratégia, que beneficiou o piloto debutante na Dale Coyne. Pagenaud e vários outros pilotos, incluindo Bourdais, largaram de pneus com compostos duros, cerca de 1/ 1.5 segundos mais lentos por volta, do que os pneus macios. Ao efetuar a troca, Bourdais tomou a decisão de acelerar tudo que puder. Assumiu a P1, e sumiu do radar. Tendo mais de 8 segundos de vantagem sobre Pagenaud. E como foi acelerando tudo e mais um pouco, Sebastién sempre conseguiu efetuar as suas trocas e voltar na P1, sem tanto incômodo da concorrência.

Outro aspecto que decidiu sua vitória, foi ter a sorte da prova não ter mais nenhuma bandeira amarela. Mas sua competência falou mais alto, e o francês conseguiu administrar seus pneus macios, que embora fossem bem mais rápidos que os compostos duros, poupou borracha quando tinha que poupar, e fez voltas rápidas quando preciso foi. Ele chegou a amdar 1.3 segundos para cima, mais rápido que os demais (1.02.5 contra 1.03.8 em diante, do restante do grid.).

Após sua última parada na volta 80 (Ele conseguiu ser muito rápido e economizar combustível e equipamento por 30 voltas, que devido o desgaste dos pneus que era alto com pneus macios, foi um feito para um carro refeito, com alinhamento zero e poucas voltas no warm-up). Bourdais seguiu imponente em sua estratégia, e liderava a carrera com maestria. Há cerca de 15 voltas para o final, o francês pegou retardatalhos, e com frieza, os ultrapassou nos momentos certos. Foi muito frio, pois Pagenaud que havia poupado pneus e combustível quase a prova toda, começou a andar 1 segundo mais rápido, e chegou a ficar somente 2.7 segundos de Seb.

Mas logo Pagenaud perdeu rítimo, em função de pneus desgastados, viu suas possibilidades de vitória, irem pelo ralo. Bourdais cruzou a limha de chegada com 5 segundos de diferençapara seu compatriota, e VINTE DOIS segundos de vantagem para Scott Dixon, da equipe Ganassi. Seb mostrou sobras aos demais, peitou as equipes maiores, e mostrou toda sua qualidade de campeão. Mostrando que por maior carroça que uma equipe tenha, com estratégia descente e piloto bom de braço, ele lutará por vitórias. Campeonatos são mais complicados, mas não passar vexame com uma equipe minúscula no papel, é possível. Tão somente na Fórmula Indy. Ah, os brasileiros foram P6 com Helio Castroneves, e P14 com Tony Kanaan.

Bom te rever no topo Bourdais!


Foto: Reprodução/IndyCar On NBCSN


Por: Leonardo Bueno

Compartilhe isto

Posts Relacionados