Seja mais humilde Palmeiras!

11:15:00

Eu queria escrever todos os palavrões possíveis do mundo, para descrever a vergonha que o Palmeiras fez no Derby, mas serei polido. Problemas de estrutura para trabalhar? Salários atrasados? Falta de apoio da torcida? Creio que não.

Soberba talvez seja a palavra. Em vários momentos na temporada, independente de estratégia de jogo, o Palmeiras mostrou a sensação de que venceria no momento em que quisesse. Futebol não é assim. Futebol é trabalho, empenho, organização e humildade. Não vimos tais características no Derby, e em boa parte da temporada.

O Palmeiras foi um amontoado de jogadores em campo. No primeiro tempo houve um pouco mais de organização e de volume de jogo. A equipe trabalhava a posse de bola, tentava triangular jogadas. Mas cruzar 28 bolas no primeiro tempo, sendo que a maioria foram para dois 'anões' ( Dudu e Willian), é dose.

Mas no momento em que a equipe parecia começar a causar mais ameaças ao rival, veio o primeiro golpe duro. Um pênalti infantil cometido por Bruno Henrique, que mesmo sem querer, perdeu tempo de bola e não notou a chegada do adversário, cometeu a penalidade. Os caras nâo perdoaram e marcaram, na PRIMEIRA E ÚNICA finalização ao gol, nos 45 +4 ' iniciais.

Veio o segundo tempo, e com a saída de Bruno Henrique e entrada de Borja, Cuca dava mostras que o abafa seria inevitável. Mas quando se iniciava uma maior pressão palmeirense, um erro de marcação no lado direito defensivo do Verdão, proporcionou o que seria o golpe
fatal. Bola nas costas do improvisado Róger Guedes, e o gol saiu.

Improvisado Róger Guedes? Ele jogou como LATERAL DIREITO, e ao ser improvisado ali, mostrou de que fato as laterais do Palmeiras andam calamitosas. Já que Egídio pela lateral esquerda? foi... Egídio. E mesmo com Keno e Zé Roberto entrando em campo, o Palmeiras seguiu como um bando em campo. Quando precisava cruzar bolas na área, tocava de forma rasteira. Quando precisa trocar passes, cruzava de forma errônea na área. Foram vinte cruzamentos, e apenas UM foi certeiro. Numa finalização acrobática de Willian, momentos antes do segundo gol.

Sinceramente, o Palmeiras involuiu muito. Cuca faz o que pode com o que tem, mas sabe que há carências graves no elemco, ao que pese a maioria das peças não rendam aquilo que delas se esperam. Até Fernando Prass que é pulsante em campo, não cobrou/incentivou seus companheiros. Apatia assusta, e apenas uma vitória diante do Vitória-BA no domingo, às 11 da manhã, amenizará os estragos causados pela equipe, que não vence há quatro partidas. E caso queira reverter o quadro, terá que de alguma forma se tornar mais humilde e copeiro. Jogar o arroz com feijão que vimos em boa parte de 2016, e que consagrou uma equipe com gana de vencer, trabalhadora e dedicada em todos os sentidos. Mas se isso não partir dos atletas, e não calçarem as sandálias da humildade para o restante da temporada, o projeto para o ano de 2017 que parecia muito nem definido e alcançável, irá por água abaixo, e isso ebulirá o novamente caótico ambiente político do clube. Em resumo: Palmeiras, seja humilde.










Foto: Divulgação/Flickr












por: Leonardo Bueno

Compartilhe isto

Posts Relacionados