ENFIM, 49!!! São Paulo precisa superar até erro grosseiro da arbitragem para quebrar jejum de vitórias no Brasileirão

19:24:00
Coritiba x São Paulo Rodrigo Caio e Thomaz (créditos: Reinaldo Reginato/Fotoarena/Estadão Conteúdo)


O São Paulo entrou no Couto Pereira contra o Coritiba tranquilo em relação à tabela por não correr mais risco de rebaixamento, mas com um incômodo para resolver: o jejum de vitórias que já durava quatro jogos - três empates contra Chapecoense, Vasco e Botafogo, sendo dois deles em casa e a derrota para o Grêmio em Porto Alegre - . Para o Coritiba significava muito, afinal, com 43 pontos e seriamente ameaçado, precisava mais do que nunca da vitória para se livrar de vez do rebaixamento e garantir a permanência na Série A de 2018 com uma rodada de antecedência.

Devido à lesão de Pratto, o atacante Brenner de apenas 17 anos, foi titular pela primeira vez em Curitiba - curiosamente, ele também estreou como profissional nessa cidade, mas contra o rival Atlético-PR no primeiro turno ainda sob o comando de Rogério Ceni - e logo aos 5 minutos, mandou um chute de fora da área, mas a bola saiu por cima do gol e aos 20, Wilson fez uma defesaça cara a cara com o atacante tricolor. 

Num primeiro tempo sem emoção, a arbitragem "chamou o jogo para ela" e fez lambança a favor do time da casa: inventou um pênalti bizarro onde Thiago Real do Coritiba em lance pelo alto com Edimar, pôs a mão na bola, mas o juiz Anderson Daronco deu pênalti e após ouvir o "adicional" - que diga-se de passagem só serve para dividir a água do goleiro  - disse que a mão foi do lateral-esquerdo tricolor: pênalti roubado e infelizmente convertido pelo excelente goleiro Wilson, do Coritiba: 1x0.

No intervalo, a arbitragem "confessou o erro", algo totalmente sem sentido, afinal o estrago estava feito, o placar não voltaria a ser zerado, melhor mesmo seria não cometê-lo e teve várias chances para evitar a ocorrência do lance bizarro.

Segundo tempo: quando parecia que o time paranaense enfim se livraria do rebaixamento, viu aos poucos o São Paulo tomar conta do jogo, chegar mais pelas laterais, tentar jogadas de linha de fundo e ficar o máximo no campo de ataque adversário: Marcos Guilherme e Cueva estavam bem abaixo no jogo, mas Shaylon novamente teve excelente atuação e deu passes decisivos para os dois gols: no primeiro, bateu de forma precisa escanteio para Éder Militão cabecear para o gol e empatar.  Já no segundo, cobrou falta na área, Matheus Galdezani dividiu a jogada pelo alto com Rodrigo Caio e acabou marcando gol contra: 2x1 São Paulo.

Vale ressaltar que a arbitragem demorou a decidir sobre quem de fato marcou o gol que viria a ser o da vitória são-paulina e que novamente ela fez lambança, deixando de marcar pênalti claro a favor do São Paulo em lance de Carleto - ex-atleta do clube - e que Daronco claramente preferiu fazer "vista grossa" e no fim, o que mais valia para os são-paulinos era: que enfim, o jejum de vitórias estava quebrado, o time alcança os 49 pontos - sai de vez os incômodos 46, afinal, as organizadas do clube tinham feito campanha pelos 47 pontos do time, dizendo que antes iriam apoiar incondicionalmente e depois disso cobrar, será que cumprem a promessa? - e para o Coritiba, que continua agonizando, mais uma rodada de dúvida para saber em qual divisão vai jogar o ano de 2018: na Série A ou na Série B, lembrando que o time já foi campeão das duas.

Rumo à vitória, São Paulo!







Compartilhe isto

Bacharel em Direito, acompanha futebol desde sempre e dá seus pitacos quando é e quando não é chamado. Ama o S.P.F.C. incondicionalmente e despreza os rivais, a menos que estejam em boa fase, nesse caso, os odeia.

Posts Relacionados