DECISIVO: Nene faz o gol da vitória são-paulina no clássico

16:56:00
Aguirre, Jardine, Lugano, Ricardo Rocha e Raí no São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)
Aguirre, Jardine, Lugano, Ricardo Rocha e Raí no São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)

Quando o Corinthians venceu o Bragantino quinta-feira passada e se classificou às semifinais para encarar o São Paulo, a imprensa o classificava como favorito e uma parte da torcida tricolor já ficou com medo em virtude das derrotas seguidas em todos os clássicos, seca de títulos e principalmente de o time rival estar mais bem organizado - mudar pouco o técnico e os jogadores também terem esse perfil dentro do que o técnico quer -.

Nenê durante a entrevista no CT da Barra Funda (Foto: reprodução)
Nenê durante a entrevista no CT da Barra Funda (Foto: reprodução)

Ontem, mais de 40 mil pessoas foram ao estádio e o clássico começou com o São Paulo mostrando que queria vencer: Aguirre escalou o time com três volantes - para não dar espaço aos corintianos - e sempre que podia, ia ao ataque com Tréllez, melhor jogador em campo, além de Nene e Marcos Guilherme. 

O São Paulo se mexia com facilidade e mesmo chegando ao ataque, o gol não saía, as bolas iam sem perigo algum na área, dando aquela situação de chegar, ameaçar, mas pouco concluir, parecendo até que em breve conseguiria sair na frente, mas com aquele domínio frouxo, não daria para saber quando o Corinthians "gostaria do jogo", ameaçaria Sidão e poderia até sair vencedor, mas curiosamente, não ameaçava, nem velocidade tinha.

Quando finalmente parecia que o primeiro tempo terminaria 0x0, em jogada começada lá atrás, Tréllez tomou a bola de Mantuan, avançou em velocidade já aos 47 minutos chutou em Cássio e no rebote, Nene faz o gol da vitória: 1x0.

Já no segundo tempo, nada mudou: o Corinthians tentou ir para cima e não teve fôlego e encontrou uma defesa muito bem postada, enquanto que o São Paulo praticamente parou - poderia ter ampliado - e assim o jogo foi literalmente se arrastando até o final do jogo, esperando o apito final: quebrando um dos tabus que durava desde 2002, foi quando o São Paulo venceu a última vez o Corinthians num mata-mata, mas naquela ocasião, pela Copa do Brasil, após perder por 0x2 na primeira partida, fez 2x1 na segunda partida e acabou sendo eliminado.

Na entrevista coletiva, o técnico corintiano Carille desviou o foco e falou o time ter perdido por estar sem 7 titulares e que Aguirre não o cumprimentou na entrada em campo: com time titular, reserva, de crianças ou de cachorros, era o Corinthians que estava ali e o São Paulo tinha obrigação de vencer e ponto final, não valendo ser subestimado por isso. 

Quanto ao fato de não ter sido saudado na entrada em campo, não importa o argumento usado pela outra parte, não é numa coletiva pós-jogo numa derrota de clássico que você vai abordar isso, lá ele deveria falar que o time dele perdeu por não ter jogado nada, não chegou ao gol adversário nenhuma vez sequer - vale ressaltar que ano passado em empate contra o mesmo São Paulo em clássico no Morumbi pelo Brasileiro, quando Gabriel fez gesto obsceno após comemorar gol para a torcida do São Paulo, ele preferiu se calar quando foi perguntado pelo repórter, ou seja, se é falta de educação não ser cumprimentado, não é comemorar gol com gesto obsceno -?

Rumo à vitória, São Paulo!

Equipe São Paulo: Twitter | Facebook





Compartilhe isto

Bacharel em Direito, acompanha futebol desde sempre e dá seus pitacos quando é e quando não é chamado. Ama o S.P.F.C. incondicionalmente e despreza os rivais, a menos que estejam em boa fase, nesse caso, os odeia.

Posts Relacionados