O Palmeiras calou a BOCA do povo, na La Bombonera.

20:35:00

O Palmeiras vinha em um momento turbulento, de descrença da sua torcida e cheio de críticas. Mas ao que parece, Roger Machado, comissão técnica diretoria (parte dela) e TODOS os jogadores, deram um bico nas cornetadas e calaram a BOCA da turma do Amendoim. Não só deles, mas também as das quase 50 mil pessoas presentes na La Bombonera. Exceto os 2 mil palestrinos que não se calaram um minuto sequer. Tanto que muitas vezes tiveram que ser abafados, com cantos da torcida gravados e liberados pelos alto falantes do estádio. Esse é o verdadeiro papel do torcedor, e não o que aqueles 5 vermes fizeram na véspera da partida.

Pois bem, sobre o jogo da última quarta-feira (25), o Palmeiras soube atacar e ser atacado. Nos 15 minutos iniciais, o Verdão adiantou suas linhas e sufocou o Boca Juniors. Tendo logo a 1', a sua primeira chance de gol. Rossi foi dar um chutão para frente, e Keno conseguiu bloquear o movimento do arqueiro xeneíze. Aos 4' Dudu arriscou e mais adiante, Borja também arriscou de média distância, mas sem tanto perigo.

Pelo lado dos donos da casa, a equipe apenas conseguiu incomodar o Palestra após os 15 minutos. Com jogadas do bom meia/atacante Pavón, Marcos Rocha, Bruno Henrique e Keno não o continham. Teve até bola raspando o travessão - Jaílson estava no lance -, teve finalização bloqueada por Jaílsão Da Massa, mas num todo, os donos da casa ficaram travados e não conseguiam fazer uma sequência de jogadas que puxassem o torcedor para o jogo e criar uma panela de pressão.

O jogo estava com uma cara de empate a 0 na etapa inicial. Mas aos 39 minutos, Marcos pegou rebote defensivo rival, e deu uma assistência para Keno marcar de cabeça. Um cabeceio fraco é bem verdade, mas colocado e no canto esquerdo baixo do arqueiro argentino. Gol que reelevou a moral do camisa 11 alviverde, o qual errava quase tudo que tentava.

Na sequência, Ábila perdeu um gol nota 9,96 na escala Nilson/Deivid de gols perdidos, e marcou outro tento. Porém em ambos, o centroavante com passagem pelo Cruzeiro estava em posição irregular. Chances essas que foram as únicas no costado Diogo Barbosa e Dudu, que se portou muito bem defensiva e ofensivamente. Mais ainda defensivamente, já que evitavam as descidas da dobra Jara/Tévez/Perez. Com destaque à Felipe Melo. Que quando teve que anular as ações de Tevez, foi praticamente perfeito (salvo um recuo besta que quase resultou em gol do adversário, e Jaílson salvou.

Com isso, o segundo tempo teve uma mudança de postura por parte dos argentinos. A equipe passou a ser muito agressiva ofemsivamente. Foi intensa, muito em função das jogadas individuais de Pavón, e criou trêa chances claras de gol. Sendo que em uma delas, Jaílson espalmou de forma espetacular e praticamente garantiu a vitória do Palmeiras.

Após a pressão rival, o Palmeiras que havia feito a troca de Borja - que se doou em campo, suou tudo e mais um pouco,  teve quatro desarmes certos, honrou o manto alviverde e foi fundamental para prender a primeira linha defensiva do CABJ -, por Willian 'Bigode', chegou ao 2° e derradeiro gol. Até poderia ter vindo aos 7', se Keno tivesse chutado em gol num velocíssimo contra ataque e não optado por tentar passe à Lucas Lima, o gol do alívio teria vindo antes.

Mas quem disse que seria fácil? Foi difícil, chorado e épico. Rossi 'o arqueiro trapalhão', foi dar uma de zagueiro e desarmar de cabeça uma bola promissora em direção à Dudu. Nisso, Willian tentou chutar sobre o goleiro e falhou. A bola seguiu pererecando na primeira tentativa de Lucas Lima sobre Rossi. Mas na segunda tentativa do camisa 20 palestrino, a bola encobriu os rivais e entrou mansamente na meta rival. Um 2x0 gigantesco que dava a certeza de que o Palmeiras dificilmente perderia a partida. Porque diante de uma segurança defensiva e de uma noite monumental de Jaílson, o Palmeiras estava e esteve de fato intransponível.

Daí em diante, Moisés e Hyoran (estreou na temporada), entraram e mantiveram o pique forte da equipe, até consagrarem a vitória. Resultado que também merece ser creditado ao treinador Roger Machado. RM que completou 43 anos, se presentiou com uma escalação segura e com mudanças que foram pedidas aqui. Como Lucas Lima mais próximo ao ataque, e uma variacão de esquema - do 4-2-3-1 e 4-3-3, para o 4-4-2 sem a bola -. Não se perdeu em profundidade nas jogadas ofensivas, teve uma equipe compacta, ciente do que deveria fazer, com segurança defensiva no miolo de zaga Dracena/Antônio Carlos, além de ofensivade efetiva. Ou seja, o coletivo funcionou.

Vitória com V maiúsculo. Da forma que foi e como foi, entrou para a história do futebol sul americano. Foi o primeiro clube estrangeiro a vencer o Boca por dois gols de diferença pelo torneio na Bombonera, e a primeira equipe a vencer por dois gols de diferença a equipe mandante pela Libertadores desde 1966. (Boca Juniors 0x2 Independiente - ARG).

Além disso, antes do Maior Campeão do Brasil, apenas Santos, Cruzeiro , São Paulo , Paysandu, Internacional e Fluminense conseguiram triunfar sobre o gigante Boca Juniors em sua casa. No caso alviverde , portanto, foi a primeira vez (eram quatro empates e uma derrota antes ).

Além do que, o Verdão se tornou a equipe brasileira com mais vitórias fora de casa pelo torneio sul americano, entrou para um seleto grupo de equipes nacionais a vencer no histórico estádio , e ainda conseguiu a maior diferença de placar de um estrangeiro contra o os x eneizes em sua casa pela competição.

E tal triunfo da noite de ontem (25) fez o Palmeiras ultrapassar o Cruzeiro (29 vitóriaa e chegar a 30 resultados positivos fora de seus domínios na história da Libertadores . Os 2 a 0 aplicados pelo Palestra ainda o colocaram a SEP de forma antecipada nas oitavas de final da Copa Libertadores, com DUAS RODADAS DE ANTECEDÊNCIA. Sendo que o Parmerão foi a primeira equipe a se qualificar para a fase seguinte do torneio continental. Como Boca e Junior Barranquilla ainda se enfrentarão, um tirará pontos do outro. Fazendo com que o Verde paulista não perca ao menos a segunda posição/vaga do grupo.

Superar um dos clubes mais temidos do continente como visitante, é para poucos. E  SIM, o triunfo de Palestra Itália foi histórico nas Américas.

Agora o Palmeiras virará a chave, e focará suas forças no Campeonato Brasileiro. No domingo (29), às 16:00 horas, o Porco receberá a querida e irmã Chapecoense, no Allianz Parque.







Juan Mabromata/AFP






por: Leonardo Bueno

Compartilhe isto

Posts Relacionados