Will Power vence pela terceira vez o GP de Indianápolis.

19:32:00

Will Power superou a pressão de Wickens e controlou um 'surpreendente' Scott Dixon para vencer no traçado misto do Indianápolis Motor Speedway. Castroneves retornou a categoria e conqustou um excelente 6° lugar.

Na largada, Jordan King tocou em Simon Pagenaud, que foi tocado por Hélio Castroneves por Takuma Sato. Nesse efeito cascata que foi incidente de corrida na curva 2, pior para os pilotos da Carpenter e o 'amarelinho' da Penske. Na curva 5, Spencer Pigot atropelou aa zebras altas e tocou em Takuma Sato. Pigot acabou recendo Drive Through por conduta perigosa, e deu um início pavoroso de corrida à Carpenter Racing. Na volta 2, Kyle Kyser, Sato e Graham Rahal foram para uma tática diferente, em bandeira amarela acionada pelos enroscos ocorridos na largada.

Três voltas depois veio a relargada, com o canadense Robert Wickens superando Sebastién Bourdais e retomando a P2 que havia sido perdida na largada. Josef Newgarden tentou ultrapassar o Francês do carro #19, mas sem sucesso.

Bourdais foi de 4° para 2°, Wickens perdeu uma posição, Josef Newgarden subiu de 6° para 4°, e Matheus Leist subiu de 21° para 15°.

No giro seguinte, Tony Kanaan ultrapassou Castroneves pela P7. Nos dois giros seguintes, Hunter Reay, Zachary Claman de Melo e Max Chilton, superaram o brasileiro do carro #3. Dos 12 primeiros, Castroneves era o único de composto mais duro e lento, e por isso, tinha um rítimo mais lento no primeiro stint de prova.

Na volta 16, Ed Jones e Helio Castroneves foram para os pita realizarem suas paradas e iniciarem novo ciclo de pneus. Três giros após, Will Power não conseguia chegar e ultrapassar Pigot que era retardatário. Com isso, o líder da corrida  era comboiado por Wickens, que sempre esteve na casa de 1 seg. de desvantagem para o piloto da Penske. Até que no giro seguinte, o duo fotam realizar suas paradas. O australiano saiu a frente do canadense da Schimidt Peterson.

A carrera seguia até a segunda rodada de pit-stops - agora em bandeira verde. Quando a Schimidt Peterson decidiu trocar a estratégia de pneus e colocar o carro #6, com pneus macios. Diferentemente de Power, que fez um stint com pneus duros. Logo, Wickens superou o piloto do #12 ao final da reta oposta e assumiu a liderança. Mas conforme os pneus desgastavam, Will Power se aproximava e por ter um composto que mesmo lento e de maior duração, devolveu a ultrapassagem que havia sofrido, e reassumiu a liderança na volta 48, ao final da reta principal do circuito.

Sete giros após, Newgarden viajou na maiomese ao tentar ultrapassar Bourdais na saída da curva 9, tocou na zebra alta - tentou ultrapassar onde não havia espaço -, rodou e deixou apagar o motor de seu carro #1 apagar. Bandeira amarelada acionada e a corrida ganhou uma nova cara. Porque três giros após, todos que estavam na volta do líder trocaram pneus e encheram o tanque. Tendo Power, Wickens, Scott Dixon, Sebastién Bourdais, Alex Rossi e Helio Castroneves formavam o top-6 da prova.

Vale uma ressalva à Scott Dixon. O piloto da Ganassi que largou em 18° e chegou a estar em 21°, se aproveitou das bandeiras amarelas e de uma boa estratégia aliada a sorte, para fazer uma incrível corrida de recuperação, diante de um carro que se mostrou ruim durante os treinos.

Voltando a corrida, a relargada que seria final, veio a 23 voltas do fim, com posições mantidas no top-10. Dois giros após, Dixon utilizando Power To Pass, ultrapassou Robert Wickens pelo 2° lugar e Rossi superou Bourdais pelo 4° posto. Leist era 14° e Kanaan 19°. Na volta seguinte, Wickens e Rossi passaram a batalhar de forma ferrenha e limpa, pela quarta colocação.

Enquanto isso, o bloco intermediário era um borogodó. Com Newgarden passando todo mundo, já ocupava o 12° lugar, Kanaan 15° e Leist logo atrás. Tendo um novo ingrediente apimentado a corrida: leve GAROA no setor 1 do traçado. Mas mesmo assim, a corrida estava interessante apenas de 6° para trás. Com Sato e Hinchcliffe se degladiando pela P7, a ponto de chegarem em Castroneves. Ah, Rossi seguia comboiando Wickens e sem conseguir ultrapassar o canadense do #6.

Power guiou até a quadriculada vencedora. Dixon foi o 2° e Wickens completou o pódio. Bourdais ultrapassou nos metros finais Alexander Rossi pelo 4° lugar. Helio Castroneves concluiu a prova numa excelente sexta colocação. James Hinchcliffe, Simon Pagenaud Takuma Sato Grahan Rahal  completaram  top-10. Destaque para Hinch e Takuma 'voador', que cruzaram a linha de chegada e encostaram seus carros, porque o combustível acabou logo ao cruzar a linha de chegada. Tony Kanaan foi o 14° e Matheus Leist que teve problemas de combustível na volta final, completou em 21°.

A Fórmula Indy voltará aos trabalhos na semana que vem, com o rito das 500 Milhas de Indianápolis, com o pole day (treino que definirá os 33 inscritos para a corrida), e o treino classificatório. Já a corrida, válida pela sexta etapa da temporada 2018, será dia 27.







Foto: Reprodução/IndyCar







por: Leonardo Bueno

Compartilhe isto

Posts Relacionados